Diálogos num banco em greve

- Não tem envelope para depósito?

- Não! O banco está em greve

- Eu sei! Mas desde quando caixa eletrônico também entra em greve?

- Desde que precisa de um funcionário para recolher os envelopes

Começo a ter certeza de que quem responde é um bancário insatisfeito...

- Hum... Tudo bem que greve é um direito de vocês, mas barrar os serviços do caixa eletrônico já é muito, não é não?

- Não.

- É por isso que não trabalho para o governo. Sei que vou ter que estudar muito para passar em um concurso e para conseguir aumento vou ter que entrar em greve. Todo ano é a mesma coisa. Por isso trabalho para a iniciativa privada.

- É, tem razão. Mas você também não deve ganhar aumento fácil. E aposto que nem greve você faz

- É, tem razão. Mas pelo menos não precisei me afundar em apostilas para trabalhar no banco

- É, tem razão

A garota então pega sua bolsa e sai do banco e pergunta alto quando a greve vai acabar porque ela precisa mandar o dinheiro para a mãe dela, que só tem conta na Caixa Econômica Federal, lá no Maranhão.

Mal sabe a garota que a greve dos bancos acabou. Apenas a CEF de Ribeirão Preto é que decidiu pela manutenção da paralisação até as negociações esgotarem.

1 comentários:

Anônimo 10 de outubro de 2009 18:27  

Então, a greve não acabou, e o fato de alguém culpar o grevista pela greve, mesmo à luz escancarada do que está acontecendo, é um sinal de que o brasileiro, realmente, não atingiu nem a Revolução Francesa ainda. É triste, mesmo.

Ocorreu um erro neste gadget

Quem sou eu

Minha foto
Jornalista. Ardida. Gosta de livros, música, Mafalda, São Jorge, sorvete, corrida e bicicleta. Canta sozinha na rua e conta helicópteros no céu.

Nosso Cortiço

Um blog para compartilhar aquilo que nem sempre há pessoas para compartilhar.

Outros cortiços

Quem perde tempo comigo