Seis meses sem fumar: ainda não é o fim dos pesadelos noturnos

Seis meses se foram desde que decidi parar de fumar. Nenhum trago desde então. No último sonho que tive, fumava sem culpa e com prazer. Foi diferente dos outros sonhos, quando um simples trago era motivo de peso na consciência. Dessa última vez, estava numa festa quando decidi pegar um cigarro sentar sozinha em uma mesa redonda que ficava dentro da cozinha e fumar, fumar, fumar. Só lembro de ter sentido no sonho a fumaça entrando pelos meus pulmões e ter gostado disso. O interessante foi que ninguém da festa me criticou por eu estar quebrando os seis meses de jejum.

Quando acordei, me lembrei que a cabelereira da minha mãe, a Lia, me disse certa vez que após ter decidido parar de fumar foram necessários dez anos (sim, senhores, dez anos) para que ela nunca mais sentisse nenhuma vontadinha de dar um trago. Dez a-nos para que ela se sentisse como se nunca tivesse fumado na vida. Fiquei branca na hora por pensar que ainda tenho nove anos e meio pela frente. Veremos.

1 comentários:

Bibiana Sant´Ana 27 de outubro de 2010 19:16  

Fer, fique na boa, aguente firme. Já estou nos 2 anos e meio e tenho certeza que não posso nem acender um cigarro para alguém. Firme aí.

Ocorreu um erro neste gadget

Quem sou eu

Minha foto
Jornalista. Ardida. Gosta de livros, música, Mafalda, São Jorge, sorvete, corrida e bicicleta. Canta sozinha na rua e conta helicópteros no céu.

Nosso Cortiço

Um blog para compartilhar aquilo que nem sempre há pessoas para compartilhar.

Outros cortiços

Quem perde tempo comigo